Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
A VERTIGEM DA MANEIRA
Pintura e pós-vanguarda na década de 80
Categorias
Pintura, Filosofia, Artes
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 445 vezes desde 25/03/2020
Versão
impressa
R$ 46,47
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 46,47
Valor total:
R$ 46,47
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

O objetivo de A vertigem da maneira: pintura e vanguarda na década de 80 é rastrear o contexto pós-moderno nas artes através de um mapeamento analítico da obra de alguns pintores que não só despontaram em âmbito internacional naquele período como também vieram a demarcá-lo esteticamente. Situando os conceitos de vanguarda e pós-vanguarda do ponto de vista estético, ele analisa o seu background histórico e apresenta a pintura euro-americana oitentista como herdeira de uma grande crise, em que o próprio discurso artístico foi posto em xeque, tendo desembocado − graças a um processo de crescente radicalização formal − numa espécie de esterilidade e apatia simbólica.

Características
ISBN 978-62-020-4413-4
Número de páginas 159
Edição 1 (2020)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Polen
Fale com o autor
Jorge Lucio de Campos

Jorge Lucio de Campos é poeta, ensaísta e professor da ESDI/UERJ. Publicou os ensaios Do simbólico ao virtual: a representação do espaço em Erwin Panofsky e Pierre Francastel (Perspectiva/EdUERJ,1990; Clube de Autores, 2020), A vertigem da maneira: pintura e pós-vanguarda na década de 80 (Diadorim/EdUERJ, 1994; Revan/FAPERJ, 2002; Clube de Autores, 2020), Pensar contra o deserto: lembretes filosóficos para jovens sábios (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), O império do escárnio: aforismos de antropofobia (Clube de Autores, 2019), A travessia difícil: notas sobre o ético, o técnico e o estético na crise da modernidade (EdUERJ/FAPERJ, 2015; Clube de Autores, 2020) e as coletâneas poéticas Arcangelo (EdUERJ, 1991; Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Speculum (EdUERJ, 1993; Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Belveder (Diadorim/ADESA, 1994; Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), A dor da linguagem (Sette Letras, 1996; Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), À maneira negra (Sette Letras, 1997; Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Prática do azul (Lumme, 2009; Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Os nomes nômades (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Paisagem bárbara (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Sob a lâmpada de quartzo (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Desimagens (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020), Impertinências (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020) e Figuras para outras pessoas (Clube de Autores, 2019; Amazon, 2020).

Comentários
0 comentários