Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
CEDO
Poesia
Categorias
Poesia, Literatura Nacional, Ficção
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 232 vezes desde 20/11/2018
Versão
impressa
R$ 30,88
Valor total:
R$ 30,88
Valor total:
R$ 30,88
Sinopse

“Ainda é cedo, amor/ Mal começaste a conhecer a vida/ Já anuncias a hora de partida/ Sem saber mesmo o rumo que irás tomar...” A voz rouca do Cartola, simples, quase sem tempero, a marmita pobre mesmo do operário, ou mesmo o prato de ágata do morador do morro, do subúrbio, do favelado, apenas o arroz com feijão, talvez um chuchu, uma abobrinha, quando muito um pequeno naco de carne, um acém, um músculo, ou uma linguiça, uma salsicha, um ovo. Os acordes futuristas, uma pequena sonata, o arranjo pomposo do Guilherme Arantes na sua bela canção “Amanhã”. O pai pesaroso pela inquietação da filha, o jovem artista com a sua mensagem de otimismo, o seu futuro promissor. É engraçado como hoje os mundos se misturam e um prato simples virou gourmet. Está todo mundo na mesma merda e criaturas completamente ignorantes exibem um tremendo sucesso. A História é recheada destes momentos de desordem, muitos valores têm caído por terra, daqui a pouco estaremos encantados com alguma boa mentira e acharemos lindo comer insetos. É incrível a força que o classe média faz para parecer normal. Suas peripécias amorosas, seus gastos incompatíveis, sua cultura sempre tacanha, caindo pelas tabelas, pouco tempo mesmo para adquirir alguma consistência, seu medo constante, sua tola ambição: sem-tetos que se acomodam na frente do seu prédio, o colega que aparece com um carro do ano, as promoções disputadas na cotovelada, as futricas dos ambientes corporativos. Quem ganha com isso é só a malandragem. Mas a vida está correndo. “Amanhã/ Apesar de hoje/ Será a estrada que surge/ Pra se trilhar”!

Características
Número de páginas 130
Edição 1 (2018)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
André Alvim Resende

André Alvim Resende nasceu em Brasília no dia 7 de Abril de 1971. Em Agosto de 1984 mudou-se de Brumado na Ba para Pouso Alegre MG. Lá estudou no colégio São José que anualmente promovia concursos literários, o que despertou o seu gosto pela escrita e ele começou a escrever os seus primeiros versos. Em 1989 mudou-se para Belo Horizonte, onde na PUC-MG formou-se em Psicologia em 1994. André é especialista na área de RH, mora atualmente em Uberlândia MG, e nunca deixou de se dedicar à poesia. Possui diversos livros publicados no clube de autores www.clubedeautores.com.br . As suas influências seguem pelo caminho seguro dos nossos grandes nomes da poesia como Drummond, Vinícius, Manuel Bandeira, Cruz e Souza, João Cabral de Melo Neto, como também o chileno Pablo Neruda. Ademais, entra toda a riqueza da MPB que cotidianamente e como expressão maior da nossa cultura, tem forte reflexo na sua escrita, como Gil, Caetano, Chico, Tom Jobim, e os grandes nome da atualidade, como Lenine, Zeca Baleiro, Otto e muitos mais.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
0 comentários