Coleção Marco Zero
Liberdade
Categorias
Poesia, Ficção, Literatura Nacional, Fantasia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 3638 vezes desde 25/07/2014
Versão
impressa
R$ 34,20
Valor total:
R$ 34,20
Valor total:
R$ 34,20
Sinopse

Liberdade – Antologia Poética

Dentro da minha obra, os livros Liberdade, Cores, Matinalmente, Tempo ao Tempo, Areia, Palavra Profícua, Dor Inafiançável e Depois de Tudo fazem parte de um conjunto que chamo de Marco Zero. São livros brutos, enormes, sem tratamento nenhum, simplesmente a transposição do que eram como cadernos manuscritos para o formato de livro. São leituras ingratas seja de qualquer um dos títulos. Tanto pela desconexão entre os poemas, a falta de uma linha norteadora que possa causar uma sedução, seja pela rudeza da própria escrita, cada volume entrecortado por obscenidades xucras de poeta em processo de lapidação.

No entanto, ainda que o senso comum e o mercado torçam o nariz para tais obras, desde sempre, eu me comprometi a colocá-las num patamar que possa amenizar tais aversões. A meu ver, na minha perspectiva de pai da criança, entendo estes livros se tratarem de um material riquíssimo e que já vem alimentando alguns dos meus lançamentos. Minha Flor e O Fingidor são crias deste exercício. O intuito é de editar livros menores, mais leves, reunindo versos que tenham uma correlação, desenvolver personagens que vieram ao mundo, porém sem muito destino, como também capturar a essência dos malfeitos para uma releitura mais domesticada, ou seja, criativa. Trocando em miúdos: é trabalho pra burro! São mais de três mil versos, dezenas de assuntos que se fecham como propostas de título, e muita coisa “triste” pra desentortar. Mas é isto! “Para tão longo amor, tão curta a vida”...

Liberdade é o mais audacioso dos projetos. São quatrocentos e trinta e três versos, creio que nenhum deles consumíveis no seu estado puro, sem um caprichado tratamento. Este o que dele vier é um novo livro, invariavelmente. Alguns versos eu consegui manter a sua alma intacta, outros até estrofes inteiras, mas via de regra, o desnaturado Liberdade sofreu mudanças severas. Isto que chamo aqui de Antologia, talvez nem se aplique, mas enfim, teimo em dizê-lo! É também a minha obra mais querida, mais relida e mais retrabalhada. Onde estão as musas que mais adoro, as minhas odes mais sentidas e onde reflito com maior transparência toda a minha sinceridade.

Bom, meu caro leitor é chão pra danar! Este é só o começo. Espero dar conta desta jornada. Liberdade – Antologia Poética é uma coletânea fina de versos com enfoque mais filosófico, ou que pelo menos, fogem das odes apaixonadas, algo que adoro escrever, mas que às vezes precisam dar espaço a pensamentos mais amplos (chamemos assim...). Do livro Liberdade original, além desta antologia, pressinto que surgirão pelo menos uma meia dúzia de outros títulos, não sei. E estou falando ainda apenas do primeiro volume dos outros sete que constituem o Marco Zero! Que São Marcos me ajude! Boa leitura.

Características
Número de páginas 80
Edição 2 (2015)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
André Alvim Resende

André Alvim Resende nasceu em Brasília no dia 7 de Abril de 1971. Em Agosto de 1984 mudou-se de Brumado na Ba para Pouso Alegre MG. Lá estudou no colégio São José que anualmente promovia concursos literários, o que despertou o seu gosto pela escrita e ele começou a escrever os seus primeiros versos. Em 1989 mudou-se para Belo Horizonte, onde na PUC-MG formou-se em Psicologia em 1994. André é especialista na área de RH, mora atualmente em Uberlândia MG, e nunca deixou de se dedicar à poesia. Possui diversos livros publicados no clube de autores www.clubedeautores.com.br . As suas influências seguem pelo caminho seguro dos nossos grandes nomes da poesia como Drummond, Vinícius, Manuel Bandeira, Cruz e Souza, João Cabral de Melo Neto, como também o chileno Pablo Neruda. Ademais, entra toda a riqueza da MPB que cotidianamente e como expressão maior da nossa cultura, tem forte reflexo na sua escrita, como Gil, Caetano, Chico, Tom Jobim, e os grandes nome da atualidade, como Lenine, Zeca Baleiro, Otto e muitos mais.

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
0 comentários