Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
DIONISÍACOS
Poesia
Categorias
Ficção, Literatura Nacional, Poesia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 241 vezes desde 21/11/2018
Versão
impressa
R$ 30,96
Valor total:
R$ 30,96
Valor total:
R$ 30,96
Sinopse

Na concepção do senso comum, quem quer que bata no peito e diga que aproveitou esta vida, já não vai mais para o Céu. O ceuzinho também dos fajutos. O Diabo se distrai sem preocupação, Deus por sua vez nos deixa bastante ao cargo do nosso livre-arbítrio. Avareza, gula, inveja, ira, luxúria, orgulho, preguiça são, simplesmente, as nossas delícias. Quando Jesus disse “Venda tudo que tens, dê aos pobres e vem comigo” ele complicou bem as coisas. O Céu está lá pra quem quiser entrar. A gente morre e realmente não leva nada. Mas do que nos resta, tem uma nesga que é o nosso ego. É a nossa cara suja. “Este se enfiou no mel”, diz São Pedro. Ele que fica lá só pra dar boas-vindas. O inferno é aqui mesmo, em vida. Se ainda existe alguma dúvida, lamento. O Diabo anda sempre muito bem-vestido, aliás, não se destoa em nada em relação a nós. Deus é que ficou para trás, a mesma alva túnica. É verdade que o que tem por aí é a pura cópula. Mas fazer filhos quase nunca é o propósito. Ao lado de Deus Pai, só há uns cinco ou seis, e assim mesmo, alternando bastante. Ser bom não é garantia para um eterno sossego, com a mão no ombro do sujeito Deus o recruta: “Estou precisando de uma pessoa de confiança...” e o Santo de barba branca retorna para o batente. Uns só batem e voltam, um tanto fica por lá. Cabe mesmo todo mundo, mas nada de muita gracinha. Parrudos alados sentam a porrada. Quem já morreu fica meio bobo, canso de explicar a situação para os perdidos, às vezes, já reencarnados. “Começou de novo, meu filho. Respira fundo e vai”. Não adianta nada dar conselhos, nem querer evitar este trânsito. Para a alma a escala de tempo é outra. E só depende do sujeito. Sonho em voltar sem fazer alarde, na calada da noite, sem a bulha dos julgamentos, ou comitês de recepção, que a gente acaba devendo favores ou que resolver missões impossíveis. Ah... Coitado de mim.

Características
Número de páginas 132
Edição 1 (2018)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
André Alvim Resende

André Alvim Resende nasceu em Brasília no dia 7 de Abril de 1971. Em Agosto de 1984 mudou-se de Brumado na Ba para Pouso Alegre MG. Lá estudou no colégio São José que anualmente promovia concursos literários, o que despertou o seu gosto pela escrita e ele começou a escrever os seus primeiros versos. Em 1989 mudou-se para Belo Horizonte, onde na PUC-MG formou-se em Psicologia em 1994. André é especialista na área de RH, mora atualmente em Uberlândia MG, e nunca deixou de se dedicar à poesia. Possui diversos livros publicados no clube de autores www.clubedeautores.com.br . As suas influências seguem pelo caminho seguro dos nossos grandes nomes da poesia como Drummond, Vinícius, Manuel Bandeira, Cruz e Souza, João Cabral de Melo Neto, como também o chileno Pablo Neruda. Ademais, entra toda a riqueza da MPB que cotidianamente e como expressão maior da nossa cultura, tem forte reflexo na sua escrita, como Gil, Caetano, Chico, Tom Jobim, e os grandes nome da atualidade, como Lenine, Zeca Baleiro, Otto e muitos mais.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 46,06
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 38,82
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 36,74
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 41,33
Impresso
R$ 41,03
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 34,65
Ebook
R$ 12,92
Impresso
R$ 39,02
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 33,69
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 34,54
Impresso
R$ 40,32
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 31,61
Ebook
R$ 17,15
Comentários
0 comentários