Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
PEDAGOGIA DA MEDIOCRIDADE:
O Individualismo e a Meritocracia sistematizados como os valores da Escola
Categorias
Filosofia, Ciências Humanas E Sociais, Educação
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 27466 vezes desde 31/08/2012
Versão
impressa
R$ 56,45
Valor total:
R$ 56,45
Valor total:
R$ 56,45
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

A obsolescência programada – baluarte da globalização e um dos principais fundamentos do mundo Neoliberal e Pós-moderno capitalista – trouxe para a sociedade planetária problemas que ela não soube e não sabe resolver.

Problemas estes relacionados não somente às questões humanas, sociais e econômicas, frente ao Individualismo e à Meritocracia (valores propagados pelo capital), mas também e, sobretudo, problemas ambientais, do mundo físico, consequentes da Mercantilização de todas as coisas, materiais e imateriais; consequentes da busca antiética pelo lucro certo, pelo lucro a qualquer preço.

Nesse cenário de catástrofes humanas, sociais e ambientais, eis que naturalmente surge e apresenta-se outra catástrofe: a catástrofe da escola.

Ou seja, numa era onde se sistematiza e impera a ética do Individualismo e da Meritocracia, colocados estes como sinônimos de justificativa da exclusão pelas elites conservadoras, a escola se torna ideológica na medida em que é especificamente concebida pelo Estado Mínimo Capitalista como o lugar onde os preceitos de humanização e emancipação intelectual são abortados, dinamitados e, numa outra via, sistematizado o corolário capitalista como sendo seu conteúdo ético pedagógico.

II

A globalização Neoliberal, ao mesmo tempo em que trouxe a possibilidade de mostrar os diferentes e/ou às diferenças culturais planetárias, nos seus diferentes povos, por outro lado, associada às políticas capitalistas de expansão de mercados consumidores, paradoxalmente potencializou o desenvolvimento do individualismo, do consumismo, do hedonismo antivirtuoso, do narcisismo, do genocídio, do xenofobismo e dos nacionalismos, levando as sociedades do capital para longe da capacidade de coexistir, tolerar e respeitar às diferenças.

Nesse sentido, a desumanização imperou como conteúdo ético capitalista em escala global, sob a insígnia de repúblicas democráticas capitalistas, comparadas à democracia Ateniense, do mundo Grego, onde aproximadamente noventa por cento dos habitantes não eram considerados cidadãos plenos e, portanto, não participavam dos rumos, das decisões da polis, por questões nacionalistas, de autoctonia, anticosmopolitas, sendo estas justificadas pela premissa da busca da autopreservação enquanto sociedade.

À volta a esse tipo de nacionalismo xenófobo, exacerbado e centrado em si, de “glória do eu mesmo” e de “desprestígio do outro”, por meio dessa Globalização Neoliberal Capitalista, entrou pelas veias dos diferentes povos, como uma espécie de chip da ignorância contra os diferentes e as diferenças; contra os estrangeiros, ou seja, contra os ditos estranhos, contra os ditos inimigos potenciais, contra os não “Eus” que, pela globalização, passaram a ter que enxergar, sistematizando-se a sociedade dos mesmos, transformando, pela coação, pela dita “educação”, socialização ou coerção, o outro no mesmo. Princípios de sustentabilidade, biodiversidade, educação ambiental, tolerância e respeito às diferenças passaram então a ser perseguidos como ideais biófilos por uma pequena parcela social e, em outra, por parte dos capitalistas, tentando mascarar suas reais responsabilidades, jogando a solução desses problemas para a sociedade, sabendo-se que a mesma não tem condições de resolvê-los.

Redefinições no caráter da educação, no papel da escola e no que diz respeito à função social do professor, passaram a soar como um imperativo, na medida em que a condição humana desumanizada passou a ser percebida como um produto da sociedade do capital, demonstrando a impotência da escola no enfrentamento desse problema.

Ou seja, a escola, hoje, nas sociedades do capital, é catastrófica porque reflete e reproduz essa sociedade perversa, corrompendo, impedindo o indivíduo que nela entra de educar-se de fato, de humanizar-se, de emancipar-se intelectualmente, isto é, de poder desenvolver-se, desenvolvendo em si uma condição humana verdadeiramente humanizada.

Isto é, frise-se: A escola, hoje, não passa de um grande sofisma grego.

Em outras palavras:

A escola hoje, no mundo do capital, prega a missão de poder transformar gruas em cisnes, mascarando o caráter perverso do capitalismo, uma vez que, ela, na verdade, simplesmente cria estigmas, cristaliza ilusões, sistematiza e justifica a exclusão ao, através dos diplomas e dos currículos, dizer, enganosamente:

1- Quem é inteligente e quem não é;

2- Quem terá sucesso e quem não terá;

3- Quem será incluído e quem não será.

Em todas as suas línguas, assim como o Estado capitalista, a escola mente. Exatamente aí está a catástrofe da escola: a Pedagogia da Mediocridade.

O que se sinaliza é que, sem que a escola venha procurar conhecer a si mesma, difícil será vislumbrar novas possibilidades de transmutação.

III

Repensar e redefinir os valores sociais, as políticas educacionais, eis os grandes imperativos da educação para a escola na era dos Estados capitalistas. Todavia, como veremos, as instituições educativas, como sendo ideologicamente reprodutoras e não transformadoras da sociedade do capital; como sendo reprodutoras dos valores Individualistas e Meritocráticos do capitalismo, como salientaram vários intelectuais como Paulo Freire, no seu livro Pedagogia do oprimido, e Pablo Gentili, no seu livro Pedagogia da exclusão, fracassa nesse processo, ou seja, ao invés de educar, deseduca, ao invés de humanizar, desumaniza, ao invés de ensinar a pensar, adestra e treina o indivíduo que nela entra somente para aprender pensamentos.

Ou seja, a escola, não transforma a sociedade do capital, mas submete-se aos seus valores: reproduz e sistematiza-a com todas as suas mazelas sociais.

A escola, hoje, assim como todo o sistema educativo ocidental, é não somente um apêndice do capitalismo como afirmaram e afirmam vários intelectuais progressistas, mas, também, e por excelência, o espaço-tempo antipedagógico sistematizado de criação, manutenção e justificativa ideológica da exclusão.

Características
ISBN 978-1479240609
Número de páginas 228
Edição 1 (2012)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
CLEBERSON EDUARDO DA COSTA

Cleberson Eduardo da Costa (mais de 100 livros publicados, muitos deles traduzidos para outros idiomas), natural do Rio de Janeiro, é Graduado pela (UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro/1995-1998), Pós-graduado em educação (UCAM – Universidade Candido Mendes), Pós-graduando em Filosofia e Direitos Humanos (UCAM – Universidade Candido Mendes), Mestre e Doutor (livre) em Filosofia do conhecimento (epistemologia) e Pedagofilosofia Clínica (FUNCEC - pesquisa, ensino e extensão), Pesquisador, Professor universitário, Especialista em metodologia do ensino superior, Licenciado em Fundamentos, Sociologia, Psicologia e Filosofia da educação, Didática, EJA (educação de Jovens e adultos) etc.

Além disso, foi aluno Especial do Mestrado em Educação (1999-2001/PROPED/UERJ), matriculado, após aprovação em concurso, nas disciplinas [seminários de pesquisa] “ESTATUTO FILOSÓFICO” (ministrado e coordenado pela professora Drª Lilian do Valle); e “POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO BRASIL E NA AMÉRICA LATINA” (ministrado e coordenado pelo professor Dr. Pablo Gentili).

Estudou também no curso de MBA em Gestão Empresarial pela FUNCEFET/RJ/Região dos Lagos (2003-2005); no curso de Pós-Graduação em Administração e Planejamento da Educação pela UERJ (1999-2000); e realizou vários cursos livres e/ou de aperfeiçoamento nas áreas da filosofia e da psicanálise por instituições diversas, entre elas a FGV (Fundação Getúlio Vargas) e a SBPI (sociedade brasileira de psicanálise integrada).

De 1998 a 2008, atuou como professor de ensino superior (Instituto Superior de Educação da UCAM/universidade Cândido Mendes) nos campus universitários de Niterói, Nova Friburgo, Araruama, Rio de Janeiro, Teresópolis, Rio das Ostras, etc.

Participou (em sua trajetória profissional e/ou intelectual acadêmica) de diversas pesquisas, como, por exemplo, o projeto UERJ-DEGASE, relativo à (EJA) e também em pesquisas centradas em problemáticas políticas, filosóficas e pedagógicas com professores renomados, como Pablo Gentili (UERJ/CLACSO), Cleonice Puggian (UNIGRANRIO), Carla Imenes (UEPG), Cristiane silva Albuquerque (UERJ), Marco Antonio Marinho dos Santos (OCA/RJ) entre muitos outros.

Atualmente dedica-se à docência universitária; a pesquisas em educação; a consultorias relativas à educação, no sentido do aprimoramento, da superação e do desenvolvimento humano; à realização de palestras acadêmicas e multiorganizacionais e à produção de obras nos mais diversos campos do saber.

[email protected]

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 35,36
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 44,06
Ebook
R$ 27,98
Impresso
R$ 45,50
Ebook
R$ 12,49
Impresso
R$ 51,35
Ebook
R$ 24,75
Impresso
R$ 45,48
Ebook
R$ 20,45
Impresso
R$ 50,41
Ebook
R$ 19,37
Impresso
R$ 36,11
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 36,62
Ebook
R$ 12,35
Comentários
0 comentários