POÉTICAS DO EDUCAR
práticas docentes, ensinagens e aprendências em tempos difíceis
Categorias
Serviços Humanos, Semiótica E Teoria, Livros E Leitura, Educação, Crítica Literária, Ciências Humanas E Sociais
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 412 vezes desde 06/01/2020
Versão
impressa
R$ 63,63
Valor total:
R$ 63,63
Versão
ebook
R$ 33,37
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 63,63
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Na condição de educadores, professores e/ou mediadores de aprendizagem, seja qual nomenclatura adotemos, somos sabedores que é por meio de uma educação focada na qualidade e comprometida com a formação humana que nos conduzira a transformação e avanço da nossa sociedade. Sim, pois é esta que determina os formatos das nossas escolas e da nossa forma de atuar no cotidiano da sala de aula das creches às universidades brasileiras.

Felizmente ou infelizmente, é assim que o processo educativo acontece e, não somente hoje, mas desde a fundação das nossas primeiras escolas do Brasil na segunda metade do XVI, cuja função sabemos também, não era apenas ensinar os nativos a ler, a escrever, as funções matemáticas, mas ainda, a doutrina católica promovida Companhia de Jesus, ditada por meio do proposta contida na Ratio Studiorum, em 1599.

A presente obra, Poéticas do educar: práticas docentes, ensinagens e aprendências em tempos difíceis, organizada por mim, professor José Flávio da Paz, objetivou congregar experiências docentes, pesquisas e demais que promovessem a reflexão para um processo de ensinagens e aprendências para além do espaço físico da escola, mas que a tenha como perspectiva, uma vez que somos, enquanto docentes/pesquisadores agentes de transformação contínua, a começar por nós e nos colegas, alunos e comunidade por consequência das nossas práticas.

A Obra está dividida em três sessões a saber: artigos, entrevista e poesias.

Os artigos são resultados dos mais variados tipos e métodos de pesquisa, sejam aplicadas, qualitativas, quantitativas, mistas, descritivas, exploratórias e outras mais bem detalhadas na sequência.

O artigo A palavra na tessitura da arte - O retorno do filho pródigo de autoria de Ana Teresinha Elicker é uma análise do quadro “O retorno do filho pródigo”, de Rembrandt, que representa o desfecho da parábola do filho pródigo e seu retorno humilde à casa paterna. A análise centrou-se na observação detalhada das fendas intrínsecas à significação da tela e recorreu ao texto bíblico para alcançar a interpretação dos sentidos da imagem, tendo por base elementos da semiótica, provenientes dos estudos de Lúcia Santaella, de Roland Barthes e de Robert Jauss. Conclui-se que o texto/imagem se desenvolve como uma rede, cujas tramas prendem o espectador no prazer de decifrar.

O segundo trabalho, sob o título Vez e voz na EJA: desafios e possibilidades da atuação docente têm como autores, Cecílio da Silva Júnior e Gueidson Pessoa de Lima que propõe uma discussão sobre os desafios e as possibilidades da atuação docente numa escola regular de Educação de Jovens e Adultos (EJA), do município de Parnamirim/RN. Apoiados nos ditames metodológicos da pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, realizaram uma entrevista, de cunho semiestruturada, com o corpo docente que atua junto às turmas de EJA da escola lócus de pesquisa. Embasados nas concepções teóricas de Arroyo (2011), que entende a EJA como política pública e dever do Estado; Henrique e Baracho (s.d.), quando aponta as dificuldades enfrentadas pelos docentes; e Di Pierro (2005), ao afirmar que a ideia de compensação ainda permeia na educação brasileira, concluímos que essa modalidade de ensino necessita de um olhar diferenciado tanto por parte do poder público quanto daqueles que a promovem, com a finalidade de (re)significar o fazer pedagógico diário, visando contribuir para a formação integral do aluno, através da convergência dos conhecimentos científicos, humanos, tecnológicos e profissionais.

Uma análise do gênero poema no livro didático de Língua Portuguesa do Ensino Médio – Vol 1 é o título do artigo dos pesquisadores: Cleusimar Dias dos Santos, Joana Martiniana da Silva e Márcia Dias dos Santos, os quais colaboraram com a reflexão acerca da formação do leitor literário, a qual está pautada diretamente à forma em que a escola e a sociedade compreendem a importância da literatura e dos textos literários. O trabalho apresenta resultados de uma análise das atividades com o gênero poema no livro didático, considerando a importância da seleção e utilização da poesia como recurso para reflexão e teve como objetivo analisar as abordagens do gênero textual poema no livro didático de língua portuguesa do ensino médio – Vol 1.1. Nortearam a pesquisa, utilizando os pensamentos de teóricos como: Gebara (2007/2012), Barreto (2016, Freitag (1993), Silva (2014); Senna (2014) e os documentos: PCN (1998) e PNLD (1997). Trata-se dos resultados de uma pesquisa bibliográfica, com objetivos descritivos e teve como corpus o livro didático de língua portuguesa do primeiro ano de ensino médio. Não há dúvidas que se trata de uma contribuição significativa para discussões posteriores, pois apresenta reflexões sobre o uso da poesia como possibilidade expressiva nas atividades em sala de aula

Oralidade e letramento na educação básica: um estudo sob a perspectiva dos gêneros textuais. Neste artigo, os autores: Deise Leite Bittencourt Friedrich, Antônia Cristina Valentim da Luz e Flávia Girardo Botelho Borges partem das seguintes inquietações: quais as concepções de língua que permeiam o ensino? Por que se opta por um trabalho que privilegia a escrita? E ainda, quais as crenças que permeiam o sistema educacional quanto ao trabalho dos gêneros orais? Para, a partir de um recorte sobre estas questões, desnudar práticas do trabalho com oralidade e letramento na Educação Básica que poderiam ser as causas de dificuldades enfrentadas pelos alunos no Ensino Superior. Os pesquisadores concluem o artigo com algumas considerações que apontam como o trabalho da Educação Básica tem refletido no Ensino Superior e algumas indicações para outros trabalhos que seriam relevantes nesta área.

A autora Denise Bastos Pinheiro versou sobre a Higiene pessoal: cuidando da saúde relatando uma experiência de desenvolvimento de um projeto pedagógico que teve como objetivo sensibilizar os alunos quanto a importância da Higiene Pessoal. Para a realização das atividades do Projeto em pauta, utilizou vídeos, internet, pesquisa na biblioteca e palestra e, para o levantamento dos dados um questionário com questões relacionadas à presença de hábitos de higiene na vida cotidiana dos alunos. Os sujeitos envolvidos na presente experiência foram 121 alunos dos sextos anos do Ensino Fundamental, na faixa etária de 10 a 12 anos de uma escola pública da Rede Estadual do município de Porto Velho. O resultado desse estudo foi positivo, pois ao término da operacionalização do projeto, os alunos apresentaram mudanças de atitudes e comportamentos adequados que denotam a incorporação de conhecimentos relacionados à higiene pessoal.

As autoras, Eliziane Fernanda Navarro e Núbia Silva dos Santos no artigo intitulado Autonomia, moralidade e senso crítico através da literatura de língua inglesa em sala de aula: um caminho possível analisaram o desenvolvimento de habilidades imprescindíveis à formação do ser humano por meio de atividades que envolvem a leitura em segunda língua, neste caso específico o inglês, e que, segundo as pesquisadoras, podem ser executadas no contexto escolar. Para esse fim, além de um estudo bibliográfico que envolve o aporte teórico composto por Candido (2004) e Adorno (1985), utilizaram-se ainda, como texto base para as atividades propostas, o poema intitulado I am a refugee (2014) do escritor sírio Mohamed Raouf Bachir. As atividades propostas visaram integrar às aulas de um segundo idioma, o princípio que rege a metodologia ativa de ensino aprendizagem: a resolução de problemas sociais, por meio do protagonismo do aluno.

O ensino da filosofia mediado pela tecnologia: um ensaio sobre a arte de educar no ensino médio da educação no campo em Rondônia, de autoria da tríade: Hélio de Araújo Carneiro, Luciano Ferreira da Silva e Lidiana da Cruz Pereira Barroso discutiu a importância do ensino da Filosofia mediado pela tecnologia, destacando a arte de educar no ensino médio da educação do campo em Rondônia. O estudo faz abordagens sobre o contexto histórico de ensino dessa disciplina no Brasil; um relato contextual sobre a Mediação Tecnológica em Rondônia; a funcionalidade do ensino desse componente e os instrumentais. Assim como a descrição dos conteúdos priorizados, em forma de tabela, trabalhados no 1º, 2º e 3º ano. O método utilizado é qualitativo com estudos de referencial bibliográfico de autores e instituições que abordam sobre a temática. Assim como, José Ferrater Mora, Norberto Mazai, foram verificados dados da Secretaria de Estado da Educação de Rondônia, a biblioteca virtual do Ministério da Educação, as leis de Diretrizes de Base e o portal do Governo do Estado de Rondônia. Constatou-se que a Mediação Tecnológica foi criada pela Lei de número 3.846 em 2016 com o objetivo de expansão e crescimento do Ensino Médio. Apresentaram-se as experiências dos professores de Filosofia realizados entre os anos de 2018 a 2019. Os conteúdos das aulas têm como base didática o referencial teórico do Estado de Rondônia, além do mais, o teor da disciplina tem como objetivo instigar os alunos a refletirem sobre as vantagens de estudar Filosofia e a busca do filosofar. O ensino desse componente curricular é destacado como um motor em movimento capaz de motivar as mais variadas mentes do pensamento juvenil e estudantil, e poderá gerar críticas e juízos de valores.

Os processos de comunicação e expressão com base na cultura e identidade do Povo Surdo formam a base epistemológica para compreensão dos processos de ensino-aprendizagem da pedagogia visual no contexto amazônico. Os autores, João Carlos Gomes e Nilcéa Jesus de Souza distem estas e outras questões no artigo intitulado A poética da cultura visual na educação de surdo na Amazônia onde apresentam resultados de estudo, vinculado ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) da Universidade Federal de Rondônia, buscou identificar os pressupostos teóricos dos signos da cultura visual no contexto amazônico nos processos de ensino-aprendizagem da educação de surdos. A metodologia da pesquisa foi construída com base nos pressupostos teóricos na perspectiva dos estudos pós-críticos, ancorados nos estudos e pesquisas realizados por Carlos Skliar (2003), Shirley Vilhalva (2004), Regina Campelo (2008), Strobel e Perlin (2009-2010). Para compreensão dos processos de ensino-aprendizagem na educação de surdos no contexto amazônico na perspectiva da cultura visual, o presente estudo revela pressupostos teóricos que permitem a construção de práxis pedagógicas sustentadas nos paradigmas das diferenças culturais. A Língua Brasileira de Sinais é um dos principais artefatos culturais que permite a identificação de um arco-íris de signos visuais que revelam uma constelação de sentidos dos diferenciais culturais dos sujeitos surdos. Esses signos estão presentes nas letras, nas artes, na literatura, na poesia, na vida social e política. Há um arcabouço de artefatos culturais que possuem características que são essenciais para a construção de novas práxis pedagógicas

No artigo, em forma de ensaio, sob o título Mito e cultura religiosa afro-brasileira: da folclorização a sistematização da fé apresento os resultados de um estudo sobre a importância dos mitos para a religião e cultura afro-brasileira, determinando algumas características atribuídas aos adeptos do candomblé, fazendo um breve apanhado na formação litúrgica do culto e sua singularidade, em detrimento a sua formação no continente africano. Concluindo-se que os mitos regem todas as relações e ações presente no cotidiano, litúrgico ou profano, dos adeptos das religiões de matriz africanas e que instaura um modo de viver único às pessoas destas comunidades.

O artigo da pesquisadora, Karina França de Oliveira, intitulado de Inclusão na educação básica: perspectiva de sucesso a partir do Atendimento Educacional Especializado- AEE apresentar algumas reflexões acerta da política educacional referente a inclusão de crianças e adolescentes público alvo da educação especial, que recebem juntos aos seus professores, o apoio do Atendimento Educacional Especializado- AEE, considerando os avanços de sucesso diante dos desafios contemporâneos da educação especial brasileira. Nesta perspectiva procurou-se direcionar nos âmbitos políticos, pedagógico e filosófico/sociológico as condutas dos profissionais que desempenham com qualidade suas tarefas de forma promover a educação inclusiva a partir deste serviço. Trata-se de uma pesquisa qualitativa investigativa, realizada por meio de questionários aplicados a oito professores atuante em AEE da rede municipal da cidade de Porto Velho, Rondônia. Os resultados buscaram responder a seguinte problemática: de que maneira o professor de AEE torna-se um articulador do processo de inclusão na escola? Apresentando como resultado de longo percurso a conscientização e importância da formação continuada a todos na comunidade escolar na intenção de todos compreenderem seu papel profissional diante da proposta de inclusão, para então proporcionar uma educação digna aos educandos com deficiências.

Em Reflexões e desafios sobre a universalização e inovações curriculares (BNCC) do Ensino Médio no Brasil e no estado de Rondônia, Luciana Dermani de Aguiar, Francianne Souza da Silva e Carmen Lúcia Rosita da Silva refletem sobre o cenário do Ensino Médio, e como este nível de ensino tem sido o foco permanente de discussões, reflexões e problematizações no âmbito da mídia, dos círculos acadêmicos, das organizações econômicas e em diversos espaços da sociedade. Analisam ainda, os principais desafios para as políticas educacionais, em função das perdas materiais e humanas determinados pelos baixos resultados alcançados, além dos desafios que a universalização do acesso à escola e a igualdade de oportunidades educacionais propõe. Para as autoras, o centro dos debates sobre o desenvolvimento do país deve estar na elaboração e na implementação de políticas públicas que possam promover um salto na qualidade educacional.

A Leitura literária: o prazer do sagrado ao profano é o título do artigo dos autores Marcos Aparecido Pereira e Epaminondas de Matos Magalhães, cujo foco central é a suposta divisão de obras literária como sendo boas e ruins, bem como a relação de prazer no ato da leitura. Inspirados em Barthes (1987) propõe-se, uma analogia entre a leitura literária e as brincadeiras de criança com o propósito de exemplificar como a descoberta do prazer do texto pode auxiliar na formação de leitores; por outro lado, os trabalhos preconceituosos, dogmáticos e excludente da leitura literária podem aniquilar a deliciosa relação de fantasia.

Ainda na perspectiva do letramento e da linguagem cinematográfica, os autores Maria Lucinária Lustosa de Araújo, Renata Freitas de Oliveira, Maria Helena de Oliveira e Francisco Renato Lima, por meio do artigo Argumentação, discurso e letramento no filme “O leitor”: a construção e a manutenção de um ethos até as últimas consequências analisaram as estratégias discursivas engendradas a partir de uma dimensão argumentativa, desvelando as imagens de si (ethos) construídas dentro de um contexto de letramento no qual está inserida Hanna, a personagem principal do filme “O leitor”. O artigo é resultado de uma pesquisa qualitativa e interpretativa, cujo corpus foi composto pelos discursos presentes no referido filme, catalogados de acordo com a perspectiva argumentativa apresentada. Os discursos observados, não foram apenas os presentes nas falas, mas também, outras manifestações discursivas, como as imagens, as expressões faciais, as cores e os gestos. Os resultados apontam para a existência de uma dimensão argumentativa construída a partir dos procedimentos discursivos de definição, citação, acumulação, comparação e questionamento. A personagem constrói um ethos de alfabetizada e nele se apoia para esconder a sua real identidade, algo que considera vergonhoso. Verificou-se a existência de uma condição de letramento evidenciada a partir da utilização da leitura e da escrita nas práticas sociais mesmo sem saber interpretar o código escrito. Os pesquisadores concluíram que, para essa personagem, a condição de analfabeta era um problema, e que por isso, preferiu construir e manter esse ethos de alfabetizada até as últimas consequências.

A pesquisadora, Marina Alessandra de Oliveira, contribuiu com o artigo Multimodalidade como objeto de ensino: leitura e compartilhamento de imagens como prática de multiletramentos nas redes sociais (Facebook), cujo estudo faz parte de uma pesquisa qualitativa em andamento que pretende investigar a prática de leitura de imagens através da rede social: Facebook, e como os processos de leitura visual por meio dos multiletramentos em espaços digitais podem influenciar na aprendizagem e no ambiente da sala de aula, sobretudo nas aulas de Língua Portuguesa. Essa proposta propicia o desenvolvimento de um estudo com um grupo de 20 estudantes do segundo ano do Ensino Médio de uma escola da rede estadual de ensino de Mato Grosso do Sul, na cidade de Nova Andradina. O objetivo deste estudo seria trabalhar com a agência de construção de sentidos dessa multimodalidade em materiais disponíveis na rede social citada e acessada pelos sujeitos da pesquisa, ou seja, analisar como os alunos leem, se interessam e compartilham essas imagens e como incentivar o letramento visual a partir dos pressupostos teóricos da representação da Gramática do Design Visual (KRESS; LEEUWEN, 1996, 2000), que serão adotadas para a reflexão sobre a importância de sua inserção nos processos educacionais perante as transformações da leitura multimodal e da cultura visual na contemporaneidade.

Os pesquisadores, Vicente Eduardo Ribeiro Marçal e Ricardo Pereira Tassinari explicitaram, de forma sistematizada e rigorosa, os conceitos centrais da Epistemologia Genética de Piaget, no artigo intitulado As noções de ação e de esquema de ação na Epistemologia Genética de Jean Piaget.

Na segunda sessão, a pesquisadora, Joana Costa, nos presenteia com uma entrevista da romancista e cronista, Nélida Piñon: Joana conversa com Nelida Piñon.

Na última sessão, apresentaremos uma série de produções poéticas pensadas pelos graduandos, pós-graduandos e comunidade local, participantes do minicurso intitulado: O Ensino de poesia na sala de aula: teoria e prática, ministrado nos dias 23 e 24 de outubro de 2019, durante V Festival UNIR Arte e Cultura da Universidade Federal de Rondônia-UNIR, organizado e executado pela Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Assuntos Estudantis-PROCEA/UNIR de 19 a 26 de outubro de 2019 no Campus José Ribeiro Filho e em outros espaços culturais do Município de Porto Velho.

Bom, sem mais delonga, Poéticas do educar: práticas docentes, ensinagens e aprendências em tempos difíceis, pretende, desse modo, promover o processo de ensino e de aprendizagem, consciente das finalidades educacionais, reconhecendo que estes são sempre sociais, a prática educativa deverá considerar o conhecimento acumulado pela sociedade, como processo formativo que ocorre como necessária à atividade humana.

Uma boa leitura!

José Flávio da Paz

Organizador

Características
ISBN 978-85-852-1466-1
Número de páginas 402
Edição 1 (2019)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
José Flávio da Paz (Org.)

Doutorando em Estudos Literários-UNEMAT; Mestre em Letras-UNIMAR; Mestre em Estudos Literários-UNIR. Bacharel em Letras: Libras-UFSC; Licenciado em Letras: Português/Inglês-FABRAS; Licenciatura em Letras: Português/Espanhol-FABRAS; Licenciatura em Pedagogia-UNASP; Habilitado para o Ensino de Língua Portuguesa-UNIFAP; Licenciando em Letras: Português-Inglês-UniCesumar; em Letras: Português-Espanhol-FAEL; Especialista em: Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas-UnB; Psicopedagogia Institucional-UNICID; Educação Inclusiva-UNICID; Educação Ambiental e Geografia do Semiárido-IFRN; Língua Portuguesa e Literatura Brasileira-FAIARA; Pedagogia Empresarial-FAIARA; Linguística e Formação de Leitores-FAIARA; Comunicação, Cultura Organizacional e Tecnologia-FAIARA; Metodologia do Ensino, Neuropsicopedagogia, Educação Especial e Inclusiva-Faculdade Futura; Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e Artes-Faculdade Futura; Alfabetização e Letramento-UCAM; Cultura e Literatura-UCAM; Produção Textual-FAVENI; Filosofia e Sociologia-FAVENI; História e Cultura Afro-Brasileira-FAVENI; Cursando em Libras e Surdez-FAMEESP; Literatura Brasileira no Contexto da Literatura Universal-FAMEESP; Teoria Literária e Produção Textual-Faculdade Batista de Minas Gerais; Gestão Escolar Integrada(Administração, Orientação, Inspeção e Supervisão)-Faculdade Batista de Minas Gerais; Língua, Linguística e Literatura-Faculdade Batista de Minas Gerais; Estudos Linguísticos e Literários e Literatura Infantojuvenil, ambas pela Faculdade Única. Formação em Atendimento Educacional Especializado-UFSM. Docente desde 1989, atuando na Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II, no Ensino Médio e Superior. Membro/Pesquisador do Grupo de Pesquisa: Crítica Textual e Edição de Textos - UERJ/CNPq. do Grupo de Pesquisa: Ética, Estética e Filosofia da Literatura - UNIR/CNPq do Grupo de Pesquisa Poesia Contemporânea de Autoria Feminina no Norte e no Nordeste do Brasil -UNIR/CNPq. É Membro Efetivo da AINPGP - Associação Internacional de Pesquisa na Graduação em Pedagogia, desde 2012; desde agosto/2015 é Membro Associado da ANDEA - Associação Nacional de Dificuldades de Ensino e Aprendizagem. Recebeu o Título de Membro Fundador Vitalício e Imortal, ocupante da Cadeira nº 001/ALB/RN da Academia de Letras do Brasil; Título Honorífico de Cidadão Macapaense pela Câmara do Vereadores de Macapá e Menção Honrosa do Grupo FacedeébanoOficial em parceria com a ONG MovitAÇÃO. Atualmente é Professor do Magistério Superior das disciplinas de Língua Portuguesa e Linguística, lotado no Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal de Rondônia-UNIR. Bolsista do Novo Programa de Formação Doutoral Docente - Novo Prodoutoral da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES e Universidade Federal de Rondônia - UNIR.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 56,92
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 56,11
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 71,54
Ebook
R$ 44,13
Impresso
R$ 111,61
Ebook
R$ 22,60
Comentários
0 comentários